Os conselheiros do TCE-AM (Tribunal de Contas do Estado do Amazonas) brigaram na reunião online da 23ª sessão ordinária do Tribunal Pleno (24ª reunião virtual), realizada nesta quarta-feira, (14) por conta do atraso de mais de um ano na apreciação e julgamento das contas do Governo do Amazonas do exercício de 2019 e de mais de um mês das contas do exercício de 2020.

O desentendimento teve início quando o conselheiro Júlio Assis Corrêa Pinheiro reclamou do atraso no julgamento e os sucessivos adiamentos, a análise das contas do governador referente aos anos de 2019 e 2020 estavam agendadas para o dia 7 de julho, mas não foi cumprida. Assis diz que tem sido cobrado sobre a falta de julgamento das contas do governo estadual, “a demora tem causado um certo desconforto”, frisou. 

O conselheiro Érico Desterro é o relator das contas de 2020 e não gostou da cobrança e acusou o conselheiro Júlio Pinheiro de atrasar um processo de julgamento de contas também do Governo do Amazonas no ano de 2018, sendo o responsável pela não apreciação das contas de 2020 no prazo, “ eu propus que o julgamento das contas de 2020 fosse feita no prazo e fui derrotado por esse tribunal pleno, inclusive com o voto divergente puxado por vossa excelência, que entendeu que não podia haver julgamento das contas de 2020 antes das  contas de 2019, enquanto eu defendia ser perfeitamente possível”, respondeu.

As contas de Wilson Lima de 2019 e 2020 continuam sem data definida para julgamento.

Share.