Nesta terça-feira (6), o deputado Dermilson Chagas (Podemos) assinou o requerimento de autoria do deputado Wilker Barreto (Podemos) para que seja ampliado o foco de investigação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Asfixia, proposta pelo deputado Delegado Péricles (PSL).

Esse requerimento veio às vésperas da última assinatura necessária para a instalação da CPI da Pandemia, proposta por Dermilson Chagas, Wilker Barreto e o próprio Delegado Péricles.

Além da investigação da responsabilidade pela crise de oxigênio que levou à morte de dezenas de amazonenses por asfixia no início de janeiro deste ano, o requerimento assinado por Dermilson Chagas e Wilker Barreto, também solicita que seja apurado todos os contratos e despesas efetuados pelo Executivo estadual no período da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que abrange desde março de 2020 até à data de encerramento da nova CPI.

Dermilson Chagas afirmou que vai assinar a CPI da Asfixia, caso o foco de investigação seja ampliado. “Foi uma manobra do Governo do Amazonas. Infelizmente, estava tudo certo para a assinatura que faltava, mas, para justificar que os colegas tinham de assinar uma CPI, eles apresentaram outra para não ser aprovada a CPI da Pandemia. Foi mais uma manobra da base do Governo do Estado, mostrando que não quer investigar os contratos, a falta de oxigênio, a questão dos hospitais que não ampliaram os leitos de UTIs, a omissão administrativa, que é a questão dos contratos. Agora, com essa nova CPI fica claro que não vai haver investigação nenhuma, e nós vamos, simplesmente, ser telespectadores da CPI do Senado, onde nós poderemos descobrir quem é o responsável pelas mortes ocorridas no Amazonas”, explicou.

Ainda segundo o deputado, o requerimento solicitando a ampliação do escopo da investigação da CPI, ressalta que ocorreram vários fatos graves que necessitam ser averiguados devidamente, especialmente pelo fato de que a Polícia Federal (PF) deflagrou quatro operações no Amazonas, devido a irregularidades cometidas pelo Governo do Amazonas.

O requerimento reforça que a PF já prendeu três secretários estaduais de saúde do Governo do Amazonas, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou buscas e apreensões nos endereços ligados ao governador, além do Ministério Público Federal (MPF) junto ao STJ, ter denunciado o governador Wilson Lima por todas as irregularidades que são alvo de investigação no âmbito da PF.

Share.